sexta-feira, 19 de julho de 2013

Propriedades de Salazar - Vimieiro - Santa Comba Dão

Como tão bem sabem, este espaço é apartidário e apolítico, não pretendo por isso afirmar alguma corrente ou ideologia política, pretendo apenas retratar a decadência do património e contar um pouco da nossa história...
Não sou fascista, saudosista, nem tão pouco simpatizo com nenhum partido, pois considero que todos eles são responsáveis pelo descalabro deste País à beira mar arruinado... julgo que sou humanista, pois sou apologista da justiça e da igualdade, tal como sou da verdade, mas sou nacionalista e ainda acredito em Portugal e nos portugueses!
No entanto e em nome da verdade histórica, irei estabelecer paralelos de comparação para que se possa melhor compreender esta figura de estado que governou Portugal durante quase quarenta anos... o Dr. António de Oliveira Salazar.
Em primeiro lugar, e para o melhor julgar, é necessário inseri-lo numa época em que Portugal estava num caos social bem maior do que vivemos agora, o rescaldo da Primeira República e da Ditadura Militar.
Ao contrário do que se esperava, foi o período de maior instabilidade política que este País já conheceu e era necessário um "pulso de ferro" para reorganizar as contas públicas e a sociedade.
Para tal, a única solução possível, era governar em autocracia evitando desse modo que o poder se fraccionasse e se inviabilizasse a tão desejada recuperação, o que conseguiu ao fim de um ano, feito conseguido apenas três vezes, desde o reinado de D. Maria I, um equilíbrio do orçamento de estado...
 O contexto político que o levou Salazar ao poder, era o de um "messias", um salvador da pátria, uma vez que esta estava de rastos pelas inúmeras guerras de poder que a república promoveu em nome da democracia, para acabar com essas guerras era urgente acabar com a "democracia", que promovia e inviabilizava a estabilidade de Portugal em nome das eminências pardas que então governavam... acabando com a já citada  "democracia", acabavam as tais guerras de poder, e poder-se-ia governar... era preciso um homem sério e a sério, para tomar as rédeas e "pegar o touro pelos cornos"... Salazar foi na altura a salvação.
Outro governante que é hoje celebrizado como um verdadeiro herói da nação é Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de Pombal, em boa parte promovido na história por Oliveira Salazar, que sempre se empenhou em salutar, como manobra de propaganda, os grandes portugueses, enaltecendo deste modo o patriotismo que tanta falta fazia.
Irei aqui comparar um "herói" e um "vilão", tal como os sistemas da actualidade para melhor poder tirar conclusões, sem esquecer os contextos históricos e temporais. Para ser o mais isento possível, entrevistei várias pessoas de diferentes extractos sociais, culturais e etários, desde um hortelão de Chelas, antigos militares, um velho taxista de praça, funcionários públicos, historiadores, gente comum e da "velha nobreza"... e as opiniões foram consistentes e constantes... Salazar foi um homem de Estado que nos soube conduzir com honestidade, embora com alguma austeridade e manteve-se demasiado tempo no poder, tendo sido ultrapassado politicamente.
Por ter governado sem oposição, e ter sido promovido por António Ferro, a quem foi confiado o Secretariado da Propaganda Nacional, é hoje conhecido por "Ditador"... assumindo que um governo autocrático é uma ditadura, esse epíteto cabe-lhe na perfeição, no entanto se atendermos a actuação de outros conhecidos ditadores, tais como: Estaline, Hitler, Mussolini, Mao Tsé Tung, Polt Pot, Pinochet, Ferdinando  Marcos, Sadam Houssein, etc, etc... concluímos  que Salazar era um "ditador softcore"... um "menino do coro"... seria mais justo chamar-lhe "paternalista nacional", uma vez que era a nação e o seu bom funcionamento que mais lhe interessava e preocupava.
 Salazar era um português que acreditava em Portugal, e não gostava ou sequer permitia "agentes subversivos" que pudessem "contaminar" a sociedade, por isso não dava tréguas aos idealistas que o confrontavam, atitude essa que o levou a cometer injustiças e a dominar os meios de comunicação... a censura no tempo do Salazar era tão austera que se tornou ridícula, chegando ao ponto de censurar o Fado "Maria Madalena", por esta ser considerada uma prostituta... pois é... tudo o que é demais faz mal, e nisso o "ditador" exagerou, como em tantas outras coisas...
 ... mas a censura ainda hoje acontece e vivemos em plena democracia... quem não se lembra do caso do Semanário Sol com a reportagem do Freeport, da tentativa de aquisição da TVI, a perseguição ao professor Charrua entre outros tristes episódios? Não serão também casos de censura e manipulação de informação? Não é que seja a favor de qualquer caso de obstrução à verdade, mas o facto é que continua a acontecer, e sempre aconteceu e acontecerá... mesmo numa suposta democracia que hoje vivemos...
Já Pombal, criou a Real Mesa Censória, que controlava e limitava toda a informação impressa em Portugal e tudo o que colidisse com a sua política teria que se haver com a "justiça"...
Eu, pela minha parte, instituí em minha casa uma censura à poluição intelectual, não permitindo que programas de televisão estupidificantes façam mazelas nos neurónios dos meus filhos: Morangos, Gordos, Splashes, Big Brothers e muitos outros que tais, não entram em minha casa!!!! São subversivos!!!! Será isto censura?? Apenas quero proteger os meus filhos da imbecilidade e dar-lhes algo melhor para pensar e distrair...
Um dos argumentos que mais condena o Estado Novo, é o facto de ter tido uma polícia política, a famigerada PIDE, que perseguiu e levou muita gente ao exílio e à prisão. Salazar não gostava ou pactuava com o comunismo. Conhecendo a realidade soviética e a utopia deste regime político, além do seu anti-clericalismo, considerava os comunistas subversivos, e por tal, fazia questão de erradicar esse "mal", pois a defesa do povo e da nação, a seu entender, estavam em causa e eram uma prioridade...
É curioso que Álvaro Cunhal, que se opunha ao regime de Salazar, no entanto pactuava com o de Estaline que era muito mais déspota, além de que a KGB não era mesmo para brincadeiras, e sabe-se agora que este ditador, tem o recorde do mundo de assassinatos dentro do próprio país... tudo em nome da liberdade e da igualdade...
Também Pombal tinha a sua polícia política, era a Inquisição, que tão bem soube trazer para o seu lado, colocando-a a seu serviço e manipulada pelos seus... os inúmeros autos de fé que levaram ao cadafalso milhares de inocentes, são a vergonha da humanidade, e só foi extinta em 1821 com o liberalismo...
É comum dizer que no tempo de Salazar havia muita pobreza em Portugal, o que era sem dúvida verdade, mas o País já na altura era pobre e não havia muita riqueza para distribuir, isto depois da riqueza ter sido depauperada pelos sucessivos governos que se instalaram no poder desde 1834... Portugal "estava de tanga"... e ainda hoje está, pois segundo dados oficiais do INE, temos hoje cerca de 30% da população a viver no limiar da pobreza...
Outro mito que se instalou e não tenho maneira de contrapor, era o atraso português em relação à Europa... Salazar deixou Portugal com um atraso de trinta anos!! Seria indesculpável se hoje, e segundo os debates televisivos animados por especialistas em economia e sociedade, não tivéssemos um atraso de cinquenta a cem anos em relação ao "velho continente"... é caso para pensar no que têm feito os nossos ilustres governantes desde 1974... onde foram parar as fortunas injectadas pela União Europeia, para o desenvolvimento??
A corrupção não era permitida por Salazar, e se alguém se atrevesse sequer a roubar um chupa-chupa, seria exemplarmente condenado, nos dias de hoje e segundo uma notícia recente de um jornal diário, apenas 5% dos corruptos chegam à barra do tribunal...
Uma coisa que distinguiu Oliveira Salazar de todos os outros governantes, foi a seriedade! Como todos sabemos, este senhor nunca enriqueceu com o poder que lhe foi dado, nem tão pouco permitia que alguém o fizesse sem legitimidade! Salazar apenas permitia duas características aos seus colaboradores: honestidade e competência! Um exemplo que se hoje fosse seguido, não estaríamos no buraco em que nos encontramos, nem nunca o FMI teria posto os pés (ou as mãos) em solo português... disso ninguém pode duvidar, ou pôr  em causa...
À semelhança de Pombal, Salazar promovia e potenciava os monopólios, achava certamente (e erradamente) que a centralização económica e a falta de concorrência favoreciam além de certos grupos financeiros, os mercados e os consumidores... chegando ao ponto de criar uma licença de isqueiro para proteger a Sociedade nacional de Fósforos, o que visto à lupa da realidade, era mais uma ridícula medida... no entanto, hoje como fotógrafo, necessito de uma licença para usar um tripé nas ruas de Lisboa, por ocupação de espaço público... parece que estes gajos não aprenderam nada com o passado...
Os monopólios de Pombal visavam enriquecer algumas empresas por ele criadas, e entregues aos seus amigos e familiares... o nepotismo ao mais alto nível... embora também dessem a ganhar algum dinheiro à coroa portuguesa,a quem ele supostamente servia.
Pombal ficou na história por ter construído Lisboa, embora se tenha cingido à baixa pombalina e tenha ficado com os melhores talhões e distribuído os restantes entre a sua família e amigos... Salazar construiu o Restelo, Campo de Ourique, Avenidas Novas, Benfica, Campolide, Olivais, etc... 
Na periferia construiu a Amadora, Almada e quase todos os subúrbios da capital, distribuindo-o por várias classes sociais miscigenizando-as ... ainda restaurou património um pouco por todo o País... malandro... tirano... da corda, esse ditador... até parece um socialista!!!
Foi a última vez que tivemos um governante que se preocupou com a recuperação e reabilitação do nosso património histórico. O que teria sido do castelo de Guimarães ou dos Paços do Duque se não fosse a sua intervenção, os imensos castelos e estruturas históricas...
Nas obras públicas destacam-se os portos de Sines e de Lisboa, auto estradas, tribunais, escolas e universidades, pontes sobre o Tejo e Douro, aeroportos, Estádio Nacional e um sem fim de infra-estruturas que ainda hoje se podem desfrutar na sua plenitude.
Salazar sabia que a arquitectura era uma forma de cultura e um espelho da nação, soube através dela explorar o patriotismo promovendo até as aldeias... desde as cidades ao Portugal profundo, nada foi deixado ao acaso ou ao esquecimento, como não se verifica hoje em dia... Portugal, para os governantes de hoje, é apenas Lisboa e um pouco do Porto... Ah!!! e "Allgarve" para ir a banhos...
A arquitectura modernista do estado novo foi a última vez que Portugal teve uma identidade arquitectónica... houve um batalhão de arquitectos e engenheiros que embelezaram o País, contribuindo  para a cultura portuguesa com um sem fim de novas construções ao nível do melhor que se fazia em todo o mundo.
Nomes como Cristino da Silva, Cassiano Branco, Pardal Monteiro, Faria da Costa, Artur de Andrade, Januário Godinho, Cottinelli Telmo, entre muitos outros, marcaram Portugal com obras arquitectónicas que ainda hoje nos enchem de orgulho...
Em contraponto temos hoje uma arquitectura que não só perdeu a identidade, como também é de uma traça efémera e sem estilo definido... entre "maisons" e "taveiradas" que depressa passam de moda, o nosso bom e verdadeiro património caiu no esquecimento...
Aquilo que foi a habitação social no tempo do estado novo, é hoje valorizado em termos imobiliários, como habitação de luxo... a prová-lo podemos tentar comprar uma casa nos bairros de Belém, Caselas, Actores de Benfica, Campolide, Olivais... e comparar com os valores dos bairros sociais de agora...
Por acreditar no potencial português, nas suas colónias e ciente das suas riquezas, manteve-se orgulhosamente só, contrariando aquilo que seria sensato, que seria devolver aos povos autóctones  após mais de quinhentos anos de exploração as províncias ultramarinas... no seu entender essas províncias eram parte de Portugal, legitimamente colonizadas pelos nossos antepassados...
Embora a realidade fosse diferente, Salazar teimou em manter a autoridade sobre esses territórios, o que o conduziu a uma sangrenta guerra que muitas vidas ceifou... no entanto ainda hoje não demos autonomia aos Açores e Madeira, que tantas vezes a reivindicaram... a lógica aqui é diferente??
Como é evidente onde havia população que foi um dia subjugada, esse território deveria ser devolvido aos legítimos povos, mas os arquipélagos de S. Tomé e Príncipe, Cabo Verde e Guiné foram povoados e colonizados por portugueses, que como esclavagistas que eram, para lá levaram mão de obra que acabaram por constituir a actual população...
Se o Faial foi colonizado essencialmente por flamengos deveríamos dá-los à Bélgica?? Era essa a lógica de Salazar... que me parece ter algum fundamento... por essa ordem de ideias, não deveria Gibraltar ser devolvido a Espanha e Ceuta a Marrocos??
Devemos a Pombal o início da industrialização portuguesa, pelo menos as primeiras fábricas de cerâmica, fiações (sedas e lãs), cortumes, região demarcada do Douro, etc...
Mas a Salazar devemos uma indústria sólida que foi vandalizada após a entrada na União Europeia por alguém que decidiu que Portugal seria um País de serviços... e hoje continuam as falência a um ritmo preocupante... e pouco ou quase nada se produz.
Também no plano diplomático, Pombal teve um papel importante. Não só tentou a todo o custo manter-se neutro na Guerra dos Sete Anos (o que não conseguiu), como encetou negociações e tratados comerciais com os mais importantes países europeus fomentando as exportações, e por conseguinte equilibrou a balança comercial. 
Salazar conseguiu manter a neutralidade na Guerra Civil de Espanha, tal como na segunda Grande Guerra, no seu governo entrámos para a EFTA, ONU e NATO, ainda que nos tivéssemos mantido orgulhosamente sós...
Os nossos últimos governos desde 1974 trouxeram três vezes o FMI, e ultimamente o BCE e a Comissão Europeia... um feito diplomático inigualável...
Após a expulsão e perseguição dos jesuítas, Pombal instituiu o Colégio dos Nobres e reformulou todo o sistema de ensino, colocando Portugal na vanguarda do ensino ao nível europeu. Começando pelos Estudos Menores e seguindo com novos cursos universitários de Matemática e Filosofia Natural, além de estudos jurídicos, foi notável o avanço que o ensino conheceu durante o seu governo.
Já Salazar, instituiu a escolaridade obrigatória abrindo escolas em todos os cantos e recantos do País, proliferaram os Liceus e Escolas Industriais, além de ter fundado novas universidades e ampliado as então existentes...
Hoje fecham-se escolas e abrem-se cursos de "novas oportunidades", cujos fins se têm demonstrado inócuos e demagógicos, sem nada ou ninguém servir, e reduziram-se com o Tratado de Bolonha os cursos superiores, tirando-lhes a devida credibilidade e idoneidade.
Pombal promoveu a emigração massiva para o Brasil, que era então uma colónia portuguesa, criando novas fortunas que encontraram trabalho e oportunidades nas terras de Vera Cruz.
Durante o governo de Salazar, houve vagas de emigração de uma população empobrecida que procurou trabalho em vários países Europeus, enfrentando as intempéries de uma viagem a "salto" em busca de uma vida melhor do que a que tinham em terras lusitanas, e levando Portugal a perder uma boa parte da população activa, essencialmente ao nível do proletariado e trabalho rural.
 Nos últimos governos da república, deu-se uma das maiores vagas de emigração, levando até os próprios emigrantes a regressar aos países de origem, além de termos perdido a camada mais jovem e com a maior formação académica até hoje conseguida... uma fuga de cérebros que dificilmente regressará.
No âmbito da saúde pública, Salazar edificou dois hospitais escola, maternidades e centros de saúde, que são hoje compulsivamente fechados em nome de uma economia que nos levou à bancarrota.
Concluindo esta comparação fundamentada por factos históricos, peço encarecidamente ao Sebastião José e ao António, que reencarnem rápidamente e ajudem estes governos da república a orientar o nosso País, que tanto tem passado e penado nestes últimos anos de democracia...
Com muita LUZ vos desejo um Portugal melhor...

13 comentários:

  1. Caro amigo, muito interessante este post e muito inteligentemente redigido.

    Lembras-te da nossa conversa em tua casa, em que eu te contei o que era viver nos anos 60 e a qualidade de vida que os meus pais tinham e o que me proporcionaram a mim e aos meus irmãos? Hoje lembrei-me de algo que Nelson Mandela uma vez disse:

    "Democracia com fome, sem educação e saúde para a maioria, é uma concha vazia".

    Alguma semelhança com o nosso país???

    Parabéns pelo post, um grande abraço e até breve.

    ResponderExcluir
  2. Sensacional!!

    Gostei imenso da reportagem!

    Parabéns pelo trabalho!

    ResponderExcluir
  3. bravo, Gastão :)
    gostei imenso, parabéns!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Encontrei este blog sem querer e de facto fiquei admirado pela qualidade dele.
    Vou guardar nos favoritos para continuar a ver o resto.
    Parabéns ao autor.

    ResponderExcluir
  5. Gostei imenso da reportagem, de todas as do blog. Lamento é ver várias informações erradas neste post sobre as políticas de Salazar e infelizmente tenho uma história familiar de sofrimento e "roubo" ao abrigo das suas políticas, contudo respeito imenso o seu trabalho e adoro todo o seu trabalho fotográfico.

    Cumprimentos
    Catarina Faria

    ResponderExcluir
  6. Este blog foi-me recomendado por um amigo e fiquei de facto "agarrado" pela qualidade do mesmo, tanto ao nível da imagem como da prosa.
    Vou guardar nos meus favoritos para continuar a acompanhar, assim como recomendar porque quem faz trabalhos desta qualidade merece o devido reconhecimento.

    Parabéns ao autor.

    ResponderExcluir
  7. Onde estão as provas do que está afirmado? Os números, os factos?

    Lamento, mas o que está escrito faz parte duma certa mitologia que tem sido criada (porque vezes e vezes repetida) mas em nada corresponde à verdade.

    Diz, por exemplo, que proliferavam liceus. Mas que tipo de liceus falamos? Com quais níveis de ensino?

    Em 1966, havia menos de 20 mil alunos matriculados no ensino secundário, e apenas 4% da população portuguesa com idade de frequentar o secundário estava matriculada nesse nível de ensino. Se recuarmos um ciclo, a cifra não atinge os 32%.

    De facto, em 1966, havia menos de 1000 escolas no total com os 2º e 3º níveis de ensino básico e o secundário combinados.

    Hoje em dia há quase 4 vezes mais escolas com os mesmos níveis combinados.

    Há quarenta vezes e meia (!) mais escolas do pré-escolar do que havia em 1966. Há também 22 vezes mais alunos matriculados no ensino secundário.

    Isto é apenas um exemplo que derruba com muita facilidade a mitologia sobre Salazar.

    Não havia proliferação de liceus durante o consulado de Salazar.

    E se havia liceus, a única quota populacional que ultrapassava os 100% era a do 1º ciclo (isto é, o ensino primário), aliás, com taxas bastante acima, sintoma de elevado número de repetentes ou alunos com matrícula tardia.

    Mais nenhum outro ciclo de ensino chegava sequer perto dos 40%.

    Sabia que a quota dos 100% de alunos em idade adequada para estar no ensino secundário só foi ultrapassada pela primeira vez em... 1996?

    Não há maior sintoma do nosso atraso do que a falta de escolaridade da nossa população. Salazar nada resolveu neste campo.

    Pelo contrário, deixou a população com níveis baixíssimos de escolaridade, e ainda hoje é um dos factores da nossa falta de competitividade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para ser uma análise correcta, e mesmo justa, terá de comparar os seus numeros de 1966 com os de 1926 e, só então, tirar conclusões sobre o que Salazar terá acrescentado ou não.

      Excluir
  8. Sr.Civ Bin (19/03/2014)

    Dei-me ao trabalho tentar responder com factos e números das Obras (mitológicas!) feitas durante 40 anos "Salazarentos", como lhe chamam outros detractores.E cheguei ao fim dos 4096 caracteres permitidos, pelo que não lhe posso enviar a lista , mesmo cortando palavras.

    Como 90% do seu comentário se resume à Educação tinha também incluído ensino Primário,Liceal eTécnico/Comercial e seus níveis de ensino (matérias).

    "Se proliferavam Liceus" R: sim,em todas as capitais de distrito."De que tipo falamos e quais os níveis de ensino" R:terá de voltar a pesquisar na Net porque também não caberia aqui.

    Só lhe posso dizer por experiência , que por exª, uma prova de exame de matemática e geometria da antiga 4º classe (9º ano) teria um resultado muito mau actualmente.

    E se hoje existem mais X nºs.de Escolas; Y nºs de Liceus; e Z nºs de Universidades não é para admirar.O problema está na qualidade do Ensino.

    Agora os seus dois últimos parágrafos,desculpe-me,dão-me vontade de rir.A culpa foi dele (Salazar) ? Então desde a Abrilada de 74 que fizeram para melhoria do Ensino ?. Veja o resultado e talvez se possa rir também.

    :http://www.sabado.pt/Multimedia/Videos/Vox-Pop/VoxPop--A-ignorancia-dos-nossos-universitarios.aspx

    ResponderExcluir
  9. Tendo em conta o estado a que isto chegou, não posso deixar de subscrever o seu excelente texto.
    Sigo o seu igualmente excelente blog há alguns anos. Parabéns e continue.

    ResponderExcluir
  10. Gostei do seu texto ,é verdadeiro e realista . Sempre achei que o mal dos Portugueses é não terem a minima ideia de como era Portugal em 1940 Eu nasci em 43 nesmo sendo o meu Pai um jovem eng tinha que ir todosos dias para as filas do leite ,do pão etctc Com a entrada de Salazar tudo mudou ,foi o fim de um pesadelo para quem viveu nessa época . Muitos parabens

    ResponderExcluir
  11. Excelente reportagem fotográfica! Parabéns!
    Publiquei no meu blog "A Terceira Dimensão - Fotografia Aérea" imagens aéreas de Vimieiro SCD, onde é bem visível a casa onde nasceu Salazar ...
    Vejam em:

    A Terceira Dimensão - Fotografia Aérea de Portugal - Vimieiro (Santa Comba Dão)

    Caso julguem interessante, agradeço que coloquem este link no V/ blog.

    Mais uma vez, parabéns por este interessante post.

    ...

    ResponderExcluir
  12. Boa noite.
    Ao visitar o blog de Duarte F. Pinto acima citado cheguei a este seu. Subscrevo totalmente o que está brilhantemente descrito.Vivi esses tempos e sei que quem trabalhava era recompensado. Hoje é esbulhado!E por aqui me fico...
    Passarei a seguidor atento do seu blog.
    Cumprimentos.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...