sexta-feira, 24 de setembro de 2010

A Quinta do Montado - Canidelo - Gaia


 

Esta ruína é mais um dos drásticos exemplos que grassam e desgraçam por este País à beira mar abandonado... 
 
A Quinta do Montado é um raro exemplar de arquitectura palaciana, a sua traça situa-se entre o chalet e o palacete e é atribuída a um arquitecto António Silva, que não consegui apurar se foi António Rodrigues da Silva Júnior ou António José Dias da Silva. 
Ambos foram arquitectos de renome cujas carreiras fizeram furor nos finais do séc. XIX e princípios do séc.XX, mas a pesquisa histórica tem destas coisas e os elementos disponíveis nem sempre são consistentes.
Foi construída em 1905 por Manuel Marques Gomes, um “self made man” que no final do Séc.XIX fez uma imensa fortuna com negócios de vinho pelas terras de Vera Cruz. 
Marques Gomes foi além de um homem de negócios, um grande benemérito e filantropo, a ele se devem várias estruturas sociais e públicas da sua terra que nunca esqueceu.
 
Foi com a sua generosidade que se construiu o apeadeiro de Coimbrões, foi instalada a rede eléctrica, fez obras na igreja paroquial, ampliou o cemitério, fez um campo de futebol, montou fábricas de cerâmica e armazéns de vinhos, redes de estradas, socorreu os carenciados, contribuiu para várias obras de caridade, além de muitas outras marcas indeléveis que deixou à sua passagem.

Também este senhor deixou a sua marca no plano da cultura, tendo feito parte do Grémio Literário e do Clube Euterpe (precursor do Atneu Comercial do Porto), tal como foi benemérito de outras instituições filantrópicas... 
 
Enfim, Manuel Marques Gomes foi uma espécie de ministro da cultura, da saúde, do desporto, do planeamento, dos transportes, das finanças e autarca...tudo às suas próprias custas!!!
Uma vez mais as informações não só sobre este cidadão como também do seu palácio são bastante vagas, pelo menos neste cibernético espaço, até mesmo depois de consultar dois arquivos municipais...restam muitas perguntas às quais ainda não tenho resposta...mas não me dou por vencido e atempadamente homenagearei este HOMEM tal e qual como ele merece...
Para já aqui fica mais uma ruinosa reportagem deste projecto que não há maneira de se materializar de outra forma que não seja virtual além de mais uma ruinosa dissertação.
Fui alertado para esta ruína por um novo e ruinoso amigalhaço que conheci na “Invicta Cidade”. Ao fugir de uma tempestade de Verão abriguei-me na Liga dos Combatentes, onde tive o privilégio de conhecer o Jorge Paz Monteiro que se revelou um verdadeiro aliado nesta ruinosa demanda, foi ele que me aconselhou várias e curiosas ruínas desta área metropolitana que dificilmente teria notado e atempadamente postarei neste nosso espaço.
Mas voltando a esta ruinosa epopeia, a Quinta do Montado fica situada em Canidelo, uma freguesia de Gaia e tem um parque que constitui a área mais arborizada da zona do Porto. É uma propriedade murada com uma magnífica vista sobre o rio Douro. Um paradisíaco local que deveria ser aproveitado em todas as suas potencialidades.
A propósito de Canidelo...o Edgar uma vez mais contribuiu para o sucesso desta sessão de fotografias e a ele devo também alguns destes bons momentos...foi uma manhã bem pródiga e profícua em que não me cansei de captar boas imagens...
O palacete que aqui se ergue é singelamente traçado com uma forte inspiração romântica, em que poderíamos com facilidade ser transportados para um conto de fadas. Segundo as descrições o seu interior era ricamente decorado com o maior requinte. Entre frescos, soalhos, estuques, azulejos e cantaria, esta casa era por si uma obra de arte.
Dizem que tinha trinta e sete cómodos dos quais pouco ou nada resta, que é um repetido mito que grassa na internet, dos seus interiores apenas sobram alguns vestígios do que um dia foi uma das mais ricas casas desta localidade. A sua fachada e alçados são plenos em pormenores e elementos decorativos que a ornamentam sem se tornarem exagerados.
Ao abordarmos esta monumental residência deparamos com uma escadaria que dava acesso ao andar nobre, da qual restam alguns escombros, há pequenos painéis de azulejos arte nova que foram gratuitamente vandalizados por grunhos e valdevinos.
Dos dois torreões ornados com pára raios e de onde se avistaria todo o parque envolvente, restam os esqueletos do que foi um telhado.
Há também na propriedade outras estruturas que não consegui fotografar, pois o matagal que teria que desbravar para lá chegar opunha-se a um incauto fotógrafo que trajava calções e sandálias, tendo-me cingido a duas casas de apoio à jardinagem e certamente foram construídas depois do palacete.
Quem me dera não poder referir uma vez mais que a ingratidão, o desperdício de meios e oportunidades são apanágio deste empobrecido País, em que não se dá valor ao património e legado que generosamente nos foi deixado.
Quem me dera não poder referir uma vez mais que a selvajaria, ganância e libertinagem se impõem a valores que todos fingem defender...
Esta ruína é testemunha da conspurcação continuada da memória de Manuel Marques Gomes e que em nada faz justiça à sua fortuna...
Embora haja vários projectos para o local não há sinais de boa vontade para dar continuidade à sua grandiosa obra, nem tampouco à localidade a que tanto se devotou...
 
É fácil de imaginar um parque publico nesta propriedade, que as famílias pudessem frequentar nos monótonos fins de semana.
Poderia aqui haver várias actividades ao ar livre desenvolvendo laços sociais e culturais, em vez de frequentarem os shoppings nas tardes de Domingo...
Mesmo em nome da rentabilidade se torna completamente imbecil esta falta de investimento, quanto não poderia render um espaço como este sem ter de recorrer a planos imobiliários??
Poderia aqui haver um parque ecológico, uma quinta pedagógica, centro de artes, campo de desportos, escolas e universidades, uma casa de meninas...tudo é preferível a esta calamitosa situação... 
Em vez disso podemos contar com uma floresta baldia e uma perigosa estrutura que ameaça derrocar a qualquer instante, apelo aqui ao sr. Luís Felipe Menezes que aja de uma vez e devolva a este local a dignidade que merece!!!
Sei também que há orçamentos reduzidos que impedem as autarquias de fazer milagres, mas no entanto sei também que quando não há vontade nem prioridades estes “pormenores” tornam-se supérfluos...mas não deveriam ser prioritários antes que seja tarde??
Como sabem sou apartidário, apenas defendo o património que é de todos nós e custa-me ficar impávido perante situações destas, como tal não me canso deste trabalho que é uma forma de chamar a atenção de um público cada vez mais vasto e lhe peço para passar palavra.
Só desta forma se poderá um dia chegar pacíficamente ao nosso objectivo: a recuperação de uma identidade e de um património sem valor que se poderá para sempre perder.
A linha gráfica desta colecção tenta enfatizar a desgraça de cada edifício que na maior parte das vezes é mais eloquente do que qualquer imagem manipulada.
São gritos mudos de socorro que cada vez falam mais alto em nome de todos nós, são momentos de solidão e de esquecimento a que devotámos as nossas memórias.
Somos todos responsáveis e colaboradores passivos até que nos manifestemos publicamente perante as autoridades (in)competentes sobre o estado desta empobrecida nação!!!
Hoje é o dia do património e além de manobras de demagogia barata, nada mais irá acontecer...falta a iniciativa tardia que todos os governos desde o Marquês de Pombal não tiveram a coragem de tomar...
Sei que parte do sucesso deste projecto depende das simpatias conquistadas junto de eventuais patrocinadores, que nunca chegaram e já nem conto que cheguem... 
Posso apenas contar com a vossa simpatia e a disponibilidade do meu cão...espero serem suficientes para dar alento a este nosso espaço que tentarei manter com mais ou menos assiduidade.
Este trabalho será um legado para todos nós, que se preocupam e se envergonham diariamente quando nos deparamos com frotas de automóveis de luxo, patrocinadas por um estado depauperado que alega estar em crise...
Será uma lição para as futuras gerações que certamente se aproximarão de uma Europa civilizada na qualidade de um velho e orgulhoso povo lusitano...

30 comentários:

  1. Como sempre, muito boas fotos, local muito interessante e a história, melhor ainda.

    ResponderExcluir
  2. Eu tenho dificuldade em comentar este e dezenas de situações iguais que este "pobre" País abriga mas na minha opinião o primeiro ministro, seja de que governo seja e os seus ministros deveriam antes de saber lidar com "verbas", ser obrigados a conhecer o nosso património artístico-cultural e da Constituição deveria constar um capítulo que os obrigaria a manter o património e a recuperar o que se encontra em degradação sendo responsabilizados criminalmente se o não fizessem.O que este texto e as fotografias documentam fazem-me chorar de vergonha e perguntar como pode um governo subsistir e um ministro da cultura ter direito a que os portugueses lhe paguem para que deixe degradar impunemente o seu património!Pobre é o povo que não preserva o seu passado!

    ResponderExcluir
  3. Um sentido "Bem-Haja" por este Blogue — o melhor do que é feito em Português, sobre e para Portugal, que pude descobrir nos últimos tempos.
    Os meus sinceros parabéns ao autor, pelo trabalho aqui desenvolvido e partilhado.
    Isto sim é genuíno, impagável Serviço Público.

    Meus mais amigáveis cumprimentos,

    Luís F. Afonso, NBJ, em Fukuoka, Japão

    ResponderExcluir
  4. Mais uma viagem. Mais uma estória. Obrigada pelo momento.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Prezado,
    Costumo entrar no seu blog para admirar as ruínas que você fotografa, porque também me incomoda esse abandono.
    Sou brasileiro, e aqui também o patrimônio histórico está na mesma situação.
    Mas o que me chama atenção em alguns casos que você fotografa(este, por exemplo) é o seguinte:
    Para estar nesse estado de deterioração, esta mansão deve estar abandonada há bastante tempo.
    E é uma obra suntuosa, com muitos detalhes decorativos, que deve ter demorado uns cinco ou dez anos para ser concluída, e deve ter tido um custo bastante alto.
    Mas como foi construída em 1905, foi usufruída por relativamente pouquíssimo tempo.
    Isso eu acho o mais estranho, o pouco tempo que esses palácios foram usufruídos, se consideramos o seu custo e o tempo investido na construção.
    Talvez eles tenham mais tempo de abandono do que de uso, o que é estranho para uma obra concluída há apenas um século atrás.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. Nasci a uns 300 métros desse Palacete em 1956, quase que não me recordo de o ver havitado, mas recorde que em 1975,fiz parte de um grupo de homens bravos que ocuparam esse mesmo Palacete, ai instalamos o Centro Popular de Canidelo, mais tarde ai esteve também instalada a CERCI - GAIA ( Cooperativa para a Educação e Reeducação de Crianças Inadapetadas )os chamados deficiêntes,durante alguns anos lutamos contra tudo e contra todos para que tudo se mantivesse de pé,reparando tudo o que era possivél, de tudo fizemos desporto, com novos e velhos,teatro,festas,um sem fim de actividades, que tornaram esses tempos inesqueciveis, até que tudo teve de terminar,a partir dai,tornou-se o local num antro de vadios e drogados,perante os olhos cegos das autoridades locais,quanto a continuação,as suas imagens falam por si,obrigado por me ter recordado a minha infância,mas fico triste e com lágrimas nos olhos, por ver aonde toda essa beleza chegou,já agora gostaria de recordar também que essas mesmas autoridades,fizeram demolir a escola Manuel Marques Gomes que ficava em frente ao campo de futebol dada a Frêguesia também por esse rico homem e onde milhares de jovens como eu ai aprenderam a ser Homens e Mulheres,não se tratava de uma obra de arquitéctura, mas era um dos simblos da nossa terra.
    Muito obrigado,Um abraço

    ResponderExcluir
  7. Um assombro de residência deixada às ruínas. Até dá vontade de chorar !

    ResponderExcluir
  8. mais extraordinário ainda é o grotesco loteamento que a câmara de Gaia autorizou para este mesmo local, destruindo o palacete e toda a área verde envolvente, substituídos sem qualquer pudor ou vergonha por milhares de metros quadrados sob a forma de rés do chão mais cinco pisos....

    ResponderExcluir
  9. Dá mesmo vontade de chorar,ver o estado a que chegou o "PALACETE MARQUES GOMES",assim conhecido desde sempre pelos moradores de Canidelo.Tão destruído...estas imagens esmagam qualquer um...mais a quem, desde pequeno, conhece este Palacete!Creio que só vai ser possivel manter a fachada,(será?!!)é que está em marcha um projecto imobiliário,que vai acabar com o sonho dos que poderiam sonhar, que aquele espaço,podia ser...um parque ecológico,uma quinta pedagógica,um centro de artes,campo de desportos,actividades recreativas, sociais e culturais,museu do mar,ou outras..!Mas vamos ver os"montros"a tomar conta deste magnífico local,porque os interesses do dinheiro sobrepõe-se a tudo mais!!!E nós,JOSE MARINHO e todos os Canidelenses,vamos continuar a chorar pela contínua destruição do nosso(já tão pouco património)!E nós,canidelenses e todos os moradores,vamos continuar a assistir sem nada fazer,para travar esta destruição! Os detentores do poder local,municipal e central,não são responsabilizados e não estão a respeitar a memória de Canidelo.

    ResponderExcluir
  10. É deveras lamentável deveras lamentavel o ponto a que deixaram chegar este belíssimo palacete que eu conheci em perfeitas condições em meados da década de 70 e que, portanto, posso testemunhar o quão ricos eram os pormrnores de todo o conjunto. Mas a falta de lei que nessa altura havia foi o pricípio do fim deste maravilhoso local. Malditos os culpados!!!!

    ResponderExcluir
  11. ...Conheço muito bem este local! Quando era jovem e o espaço ainda não estava ao abandono, tive aulas de ginástica e cheguei a ver o Palacete por dentro... Era simplesmente Lindo! Difícil de esquecer! E os frescos permanecem até hoje na minha memória! Para além disso a entrada era magnífica, as árvores centenárias proporcionavam uma visão maravilhosa e caso estivesse um dia de verão com muito calor, quando ali passávamos sentíamos o fresco da sua sombra. É com muita tristeza que vi o local a ficar ao abandono. Como era bom quando o Palacete era cheio de vida, as corridas que fazíamos, os jogos de futebol que víamos, a alegria que ali existia!!!! É incrível como nada foi feito ao longo destes anos! Fico triste a ver estas fotos… E, de facto, Manuel Marques Gomes foi um Senhor!

    ResponderExcluir
  12. tive o previlégio de ver este local tal qual como está pelo meu amigo manuel,nascido neste local;é triste ver como tudo isto se degradou;mas poderia ser aproveitado para fins de passeio e diversão, em vez de industrua imobiliária;evaristo santos brasil

    ResponderExcluir
  13. nos meus tempos de escola costumavamos ir para la
    isto ja a 16 17 anos atraz na altura ja estava degradado mas nao desta maneira parece impressionante ao ponto em que chegou o tao famoso e conhecido palacete por todos os moram em canidelo,e com tristeza que vi estas ruinas realmente e uma pena que os nossos politicos nao se interessem pelo nosso patrimonio.....

    ResponderExcluir
  14. Esta é uma linda peça, o seu conteúdo muito triste, eu participei num casamento dentro desse palacete nos anos 50, foi uma coisa extraordinária. Nos anos 70 e 80 ajudei algumas vezes outros moradores de canidelo, incansáveis, na sua tentativa de defender o palacete da destruição pelo vandalismo,
    pregando tábuas, nas janelas e portas na tentativa de evitar os assaltos. A comissão de moradores de Canidelo, existente nos anos 80, assim como a CDU de Canidelo ainda conseguiram manter o imóvel digno de ser visto durante anos, mas quando os responsáveis autárquicos, as polícias e outros actores da senda política não ajudam, nada pode ser preservado.
    Numa exposição da Junta de Freguesia de canidelo, em que participei (anos 90) e por acaso consegui o 1º lugar, apresentei várias fotografias do palacete, já degradado em que o título era algo parecido com a morte do mesmo, na visita à exposição de Sua Excelência o Governador Civil, na altura SR. Eng.Leite de Castro, que por acaso vive em Canidelo, este comentou com o Presidente da Junta, na altura o Sr. Albertino que o meu comentário na foto não tinha qualquer cabimento, estava perfeitamente desenquadrado da realidade, dizia o Sr.Governador Civil, pois esta peça vem provar que quem estava desenquadrado era o poder local e a Autarquia da época, assim como a actual, não esqueçamos que os actuais autarcas já cumpriram 3 mandatos e no seu inicio assistiram ainda à completa destruição do palacete, sem nada fazerem.
    Espero ter contribuido, para a verdade sobre a morte do palacete./ Cumpr/Tomás Monteiro

    ResponderExcluir
  15. No dia 4 de Dezembro,um amigo meu levou-me a conhecer este palacete, que logo mal o vi, deparei com a sua beleza e suscitou-me a curiosidade da abundancia de mil histórias abandonadas presas por todo o seu território.
    Mesmo à superficie da estrada, mesmo junto à praia, a sua imensidão ou imponência nao passa despercebido a qualquer trauseante.
    Adorava ve-lo completamente restauarada, tal como um dia foi, decerto era para nós uma máquina do tempo que nos transportaria para aqueles tempos da alta burguesia.
    Sr. Luis Filipe Menezes, queira por favor devolver a este lindo palacete e a todos os populares e curiosos da grande cidade do Porto, todo o seu explendor, a sua história e a sua cultura.
    Resta-nos levantar a nossa voz para estes "achados", não deixá-los cair por terra como frutos da sua sombra.

    ResponderExcluir
  16. Numa noticia recente do JN, foi divulgado o destino desta propriedade.
    Vejam aqui:
    http://jn.sapo.pt/paginainicial/pais/concelho.aspx?Distrito=Porto&Concelho=Vila%20Nova%20de%20Gaia&Option=Interior&content_id=1735835

    ResponderExcluir
  17. http://www.flickr.com/photos/flipsecret/5290933486/in/set-72157625670683128/

    belissimo trabalho no blog!!! parabens!!!

    ResponderExcluir
  18. Excelente,TERIA MUITO QUE CONTAR POIS VIVI, perto dele foi ai que cresci.
    Era lindo tinha muita saúde o seu verde a sua furtaria,matou-me muitas vezes a fome.
    É com muita pena que veijo nesse estado passo por ele muitas vezes,minha mãe ainda mora por lá.
    Recordo que cheguei a assinar um abaixo assinado para não fazerem construção.
    Aqui vai um grande abraço,com muitas saudades.

    ResponderExcluir
  19. Muito interessante e como eu gosto: muita informação, muitas fotografias bem tiradas, a organização de texto está óptima...
    Um artigo importantíssimo par toda a gente ler!!!

    ResponderExcluir
  20. Fabulosas as fotos. Infelizmente tb sou daquelas que conheceu o edíficio antes disto e conheço tb quem o tenha frequentado no seu auge - os candelabros eram qq coisa conta a minha amiga Lourdes. Desafio-o a propor uma exposição do seu trbalho ao Centro Português de Fotografia e de certeza que será benvinda e aceite.

    ResponderExcluir
  21. Muito boas as fotos! E que tal publica-las em livro se e q já não o fez. Acho importante preservar ainda que em formato fotografico a beleza da historia arquitectonica esquecida do nosso país. E quem sabe, talvez sirva como um despertar de outras consciências que que é importante conservar a nossa memória e história tão rica. Gostei particularmente da foto de canidelo em que o seu bom amigo lhe deu uma ajudinha. <Realmente bela. Bem Haja! Cat.

    ResponderExcluir
  22. Toda a vida vi este edifício porque a minha casa fica do outro lado do rio, junto ao miradouro de Santa Catarina. Há 22 anos, sensivelmente, ainda adolescente, explorei o edifício, já então abandonado, com alguns amigos. Não estava ainda neste estado e mantinha os telhados intactos e mobílias no interior. Para um edifício abandonado nem estava muito mal... ainda. Era muito bonito. Não adianta dizer mais, está no estado em que está. Recentemente toda a encosta foi limpa do arvoredo e matagal que a envolvia, deixando o edifício totalmente visível a partir do Porto. Isso já não contecia há décadas. Na parte inferior da encosta, onde havia uma velha fábrica também abandonada, o espaço foi renovado e é onde se realiza no verão o festival de música Marés Vivas. Próximo deste palacete existe outro, igualmente em ruínas, mas esse já há muito que está nessa situação.
    Tenho visitado este blogue frequentemente,por causa de Lisboa e não tinha reparado neste post. muito bons trabalhos

    ResponderExcluir
  23. Sou brasileira e quando mudei para Gaia em 2006, explorando os arredores vi ao longe a sombra do Palacete e convenci meu marido a entrar no matagal e ver estas ruínas, fiquei impressionada, tirei várias fotos e desde então sonhava conhecer sua história e ver sua reabilitação, só hoje descobrir este site de ruínas, parabéns e obrigado por mostrar e contar este abandono.

    ResponderExcluir
  24. Infelizmente, ou não, a umas semanas para cá detectei de deitaram a baixo toda a manta de arvoredo que existia em volta da casa...hoje, fui lá e fotografei...lamento, pois podia, ser usada de forma mais agradável o espaço...mas parece-me que irão construir mais cimento armado em volta...

    Ana Monteiro
    a.cm@live.com.pt

    ResponderExcluir
  25. O povo,é a sua falta...antes de votarem deviam de se informarem na capacidade de cumprirem as suas promésas.As missas e o futebol são as suas prioridades!!Tem o que é obvio terem!!

    ResponderExcluir
  26. Como estará agora? Será que poderei lá entrar?

    ResponderExcluir
  27. acabo de voltar a este sítio q tinha em favoritos e na altura me fez visitar uma exposição de fotografia no Porto em julho...agosto 12 por reconhecer o palacete MG, o Canidelo...;identifiquei-me no tema fotográfico, mas decidi-me a ir à exposição num hotel galeria charmoso, pela memória dos "bravos" tempos em que aí trabalhei nos anos 70/80 (CERCIGAIA); história q ainda não acabou a das CERCI's, em novas arquitecturas duma cultura urgente e popular a dos anos 70, reconvertendo patrimónios de outras filantropias e dando sentido ao espaço, ao lugar, à vida de crianças e jovens, pais e trabalhadores com necessidades e projectos; aí tudo aconteceu, até imaginar os lustres ou tocar os frescos mas antes de tudo construir com os alunos cabanas de restos de árvores exóticas e muito mais; hoje por exemplo, fotografo e desenho e desenho e fotografo; mas de lá, do palacete, só desenho a partir de fotos de julho de 1977, dezenas delas, a preto e branco [nikon FM2, obj 50mm, 1.4]sobre cenas quotidianas duma vida toda naquela escola de ensino especial; do projecto e das histórias Marques Gomes um projecto c ruínas, parabéns pelos avisos, motivo, ângulos e cores; este palacete hoje c outros projectos, ainda sobra para alimentar muitos outros projectos c latitudes, fases e protagonistas diversos; o filantropo é uma estrela no auge ou mesmo a galáxia de Canidelo

    ResponderExcluir
  28. wow que máximo! segui (:

    ( www.pinkie-love-forever.blogspot.com )

    ResponderExcluir
  29. Ola gastao. Eu adorei este artigo, assim como já la trabalho na reabilitação total da quinta, não sei se sabes mas já esta muita coisa mudada e o palácio vai ser um hotel, um grande hotel, esse ainda não entrou em obras, para já estamos a fazer as estradas la dentro, depois vao ser construídas casas e muitas mais coisas. Espero que fique tao bonito como esta no projeto. Se quiseres falar comigo ou alguma informação manda mensagem para o mail: brunomartins_3@sapo.pt

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...