sexta-feira, 28 de agosto de 2015

"RuHino" Nacional


Desde o início deste nosso projecto que tentamos fazer chegar uma mensagem positiva, patriótica e filantrópica, pois são os valores que nos conduzem a evoluir como seres humanos, melhorando o País onde vivemos, preservando o seu melhor e denunciando o seu pior... por isso aqui faço uma breve dissertação sobre o nosso património e a portugalidade, pois deles depende o nosso presente, projectando o nosso futuro, preservando o passado.
Portugal é um País rico em história e em património, material e imaterial. O seu mais valioso património é sem dúvida o Humano, que além de ter construído e mantido com grandes e heróicos feitos este belo canto à beira mar plantado durante uma saga de quase novecentos anos, desenvolveu uma maneira própria de estar e de ser na Europa e no mundo, distinguindo-se pelas suas gentes e culturas.
A Cultura portuguesa contribuiu para a identidade de um povo enaltecendo o patriotismo, lembrando-nos dos seus feitos e virtudes, sendo por isso um motivo de orgulho para todos nós consolidando-nos como nação.
Esta nação é unida pelo seu património, que é exaltado a viva voz pelos seus mais significantes símbolos que nos enchem de júbilo e nos dão alento para continuar a enfrentar as diárias intempéries que nos têm castigado ao longo do tempo.
A bandeira e toda a sua simbologia, que quando hasteada e drapeando ao vento, leva o nosso imaginário a idealizar um cenário de verdes campos lavrados e regados com o sangue das batalhas que garantiram a nossa independência, o escudo das quinas e a esfera armilar que ainda estão presentes nos quatro cantos do mundo e afirmando a sua expansão que ainda hoje está impregnada na nossa alma, é o nosso ADN...
Também a língua portuguesa é um dos mais valiosos patrimónios, que sendo uma das mais faladas a nível mundial, transporta a nossa cultura além fronteiras elevando e levando o nosso cunho a todos os continentes.
A escrita é indissociável da língua que está a ser vítima de um autêntico atentado de lesa cultura e lesa Pátria pelo horroroso e subversivo AO 90, que nos lesará e levará o intelecto dos nossos descendentes aos mais inferiores patamares da evolução cultural, um crime que deveria ser punido em praça pública e deixará uma marca indelével nas futuras gerações.
O património arquitectónico, sendo o único que se materializa nas nossas paisagens, e é o testemunho de várias correntes artísticas, culturais, e até regionais que através dos tempos no foi legado pelos nossos avós, que desperdiçamos todos os dias essa forma de cultura, que além de divisas nos traz uma identidade e consequente patriotismo, este é diariamente relegado para um limbo infernal, e deitará a perder a história, memória e glória deste antigo povo que tanto fez para o erigir e manter.

O Hino Nacional é outra marca que nos une com toda a coesão e nos orgulhamos de o cantar de pé! O Hino de Portugal é uma marcha inspirada na "Marselhesa", foi composta por Alfredo Keil e letrado por Henrique Lopes de Mendonça, que aquando o Ultimato Britânico e em grito de revolta republicana compuseram tão heróica partitura, tendo sido adoptado no dia 17 de Novembro de 1910, e é referido como o 11º artigo da constituição.

Heróis do mar, nobre povo,
Nação valente, imortal,
Levantai hoje de novo
O esplendor de Portugal!
Entre as brumas da memória,
Ó Pátria, sente-se a voz
Dos teus egrégios avós,
Que há-de guiar-te à vitória!

Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela Pátria lutar
Contra os canhões marchar, marchar!
Infelizmente este hino é papagueado como a maior parte dos católicos papagueiam o "Pai Nosso", sem sequer depreender o seu sentido e menos ainda, sem colocar em prática o seu conteúdo... senão vejamos:
Se somos heróis do mar, porque é que em terra não praticamos o mesmo heroísmo? É na nossa terra que devemos ser heróis, pelo trabalho, ideias e ideais, pela perseverança e pela esperança de sermos todos os dias melhores... isso sim,  faria de nós heróis!
Nobre povo? Dentro da actual conjuntura cultural e económica, seria mais justo dizer Pobre Povo! Com perto de 30% de portugueses no limiar da pobreza, culturalmente atrasados e todos os dias intelectualmente depauperados, pelo lixo que nos impingem na maior parte dos órgãos de comunicação social, os danos neuronais que provocam, entorpecem a capacidade de raciocínio e de discernimento do mais comum mortal.
 
Portugal e os portugueses nunca poderão evoluir enquanto uma "Casa dos Segredos", uma novela barata ou um ridículo "talk show" sejam líderes de audiências, quando um estádio de futebol for uma prioridade, e enquanto um Mercedes ou BMW se sobrepõe à saúde e à cultura... muito teremos que fazer para evoluir, pois o tempo e meios perdidos em futilidades e nulidades empobrece-nos ainda mais, e a um ritmo alucinante!
 
Nação valente? Creio que indolente descreva melhor a maneira de estar de boa parte dos nossos compatriotas... entre o eterno "sebastianismo" e o "deixa andar", a corrupção e o "desenrascanço", tudo serve para nos enterrar ainda mais.
Imortal? Com o património, a escrita e a língua a serem brutalmente assassinados, parece-me um exagero esta expressão... pois estes símbolos estão a morrer e a matar a nossa nação! Sem eles a morte do país está garantida e a curto prazo. Há que os ressuscitar, e depressa!
 
Levantai hoje de novo, o esplendor de Portugal... desde 1974 que todos os governos "tentaram" sem sucesso e com muita "democracia" esse feito, que além de ser mais uma falácia, é sem dúvida a mais pura demagogia...e barata! Vivendo numa Europa civilizada que se levantou de duas guerras mundiais, como é que ainda temos cicatrizes do terramoto de 1755? Porque é que os centros históricos são abandonados e florescem mamarrachos? O interior do País desertificado e campos por cultivar... Será isso o tal esplendor? Só uma mente "chauvinista" dá razão a tão bonita expressão.
Entre as brumas da memória, Ó Pátria, sente-se a voz, Dos teus egrégios avós... coitados dos nossos avós, que nos legaram um País com "P" e com certeza que as suas vozes são apenas gritos mudos que ecoam nas ruínas por todo o país espalhadas... seremos aliás egrégios netos? E quando formos avós, seremos lembrados como decrépitos, a avaliar pelo estado do estado... só mesmo entre as brumas da memória é que se pode visualizar esse cenário.
Às armas, às armas... é difícil lutar com paus e pedras, pois são as armas que nos restam, além de alguma verborreia... a constante demagogia de todos os governos da república faz-nos crer que recorrendo a armas que não sejam idoneidade e trabalho, podem ainda combater e vencer uma guerra que é contra o desemprego e pobreza.
Pela Pátria lutar... lutar e labutar, se a Pátria deixar... a maior parte dos nossos cérebros vai lutar para pátrias alheias sem sequer ter vontade de voltar... apenas alguns valorosos resistentes se dedicam a esta causa, que é lutar por Portugal! É muitas vezes uma tarefa inglória para quem todos os dias "arregaça as mangas" e nem um ordenado mínimo consegue... mas sendo pela Pátria valerá certamente a pena, pois é de todas as causas, a mais nobre!
Contra os canhões marchar, marchar! Hoje não se marcha contra canhões, é uma estratégia militar que está obsoleta desde as guerras peninsulares... mas devemos todos os dias marchar para o trabalho, para a educação, formação profissional, cultura e para a prosperidade, devemos marchar também contra a corrupção, o oportunismo, o facilitismo, o nepotismo, entre muitos outros "cancros" que se metastizaram em Portugal, para um dia sermos realmente dignos do hino que patrioticamente exaltamos quando a selecção nacional de futebol marca golos...
Serão as nossas atitudes que marcarão a diferença como um povo orgulhoso... pela Pátria e pelos nossos filhos, levantemos de novo o esplendor de Portugal!

11 comentários:

  1. Muito bom. Acima de tudo, informador e formador. Espero que isso culmine em algo de inspirador e sobretudo instigador de algo (re)novo a quem lê o que escreves.

    ResponderExcluir
  2. És um homem elevado como há poucos em Portugal! Abraço, Gastão, sempre com enorme admiração!

    ResponderExcluir
  3. Ganhaste uma fã. Excelente teu trabalho.

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pela partilha e sempre em frente. Continuação de trabalhos como este.

    ResponderExcluir
  5. Muito Bem! O diagnóstico do estado a que chegou Portugal está correctíssimo, agora o que posso eu e o que podemos nós (poucos, muito poucos) cidadãos informados e com uma réstia de cultura, fazer para mudar esta situação? Eu estou disposto a lutar pelo nosso património (passado) e pelo nosso futuro, mas a quem nos dirigirmos pra fazer ouvir a nossa voz de revolta quando só nos fecham as portas e nos chamam de rídiculos? Eu envio cartas, e-mails para os Munícipios e para o DGCP a alertar para o estado de completa vergonha em que estão os nossos monumentos e só tenho como respostas o silêncio ou o "não há dinheiro!" Blogs como este, que têm toda a minha admiração, não são infelizmente suficientes para mudar o que quer que seja, é preciso acção! É preciso fazermos o maior barulho possível e mostrar a ruína em que Portugal está para que alguém faça alguma coisa, nem que seja por vergonha, se alguém ainda a tiver. Lanço aqui o repto a todos os que seguem este blog, juntamo-nos ou preferem apenas responder "apoiado" mas sem qualquer iniciativa? Deixo-vos o desafio.

    ResponderExcluir
  6. Portugal acabou. Os escombros são prova.
    Cumpts.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...