quinta-feira, 17 de junho de 2010

8ª Bataria do RAC - Albarquel, Setúbal

Desde a primeira vez que me interessei pelas linhas defensivas de Lisboa por ocasião de outras reportagens deste projecto, que fiquei com vontade de conhecer e fotografar este local e colmatar assim as unidades militares que constituíram o extinto RAC, pelo menos as que se encontram em ruínas.
Visitei esta unidade militar em duas ocasiões. Na primeira incursão, por esquecimento não levei o imprescindível tripé, o que limitou a perspectivas exteriores, privando-me de captar toda a índole deste quartel...  na segunda vez fiz loooongas exposições de vários minutos em que aproveitei todos esses ainda mais loooongos segundos para retirar a necessária inspiração para os seguintes momentos.
 Todo este quartel é um extenso corredor subterrâneo com quatro ramificações que nos levam às bocas de fogo, ao paiol e a todos os cómodos que dependia.

É um espaço monocromático com a monotonia arquitectónica de um longa galeria e algumas exíguas alas escondidas numa impenetrável penumbra, que serviam de apoio a toda esta estrutura. 
 
A decadente porta de armas  ainda ostenta com orgulho o brasão da unidade e a arma de artilharia, guardando na sua memória os tempos em que fechava um perímetro que foi outrora inexpugnável.
É um espaço que deveria ser guardado para evitar ser vandalizado ou conspurcado pela sua vertente histórica. Está hoje aberto a qualquer curioso que com toda a facilidade se consegue introduzir neste velho bastião.


As entradas e a casa da guarda são as únicas estruturas que se podem observar, todo o resto deste quartel está soterrado e apenas as peças de artilharia que assentam em socalcos reforçados por muros são visíveis à superfície.
 
A austera entrada é reforçada por alvenaria e uns vigorosos calhaus, que nos conduz por um estreito e longo túnel, onde dificilmente se cruzariam duas pessoas mais robustas ou circulariam os militares mais altos.

Ao nos aventurarmos pelas entranhas da encosta e uns bons metros adiante no meio da escuridão, há uma íngreme rampa que nos conduz ao paiol,  tem ainda e em muito mau estado de conservação o passador mecânico que incansavelmente transportava as pesadas munições que alimentavam as sôfregas bocas de fogo.
As peças de artilharia que equipavam esta unidade eram 3 Krupp de 15,0 cm, capazes de disparar projecteis de 12,5Kg a 40 Kg com precisão a cerca de 20 Kms de distância... devia dar cá um gozo...

Esta era a 8ª Bataria de artilharia de Costa e defendia o porto de Setúbal, era ajudada pela Bataria do Outão na sua cobertura de fogo e complementada pela mais antiga e desactivada Bataria do Casalinho e pelo Moinho da Desgraça, que a apoiavam como paiol e posto de comando, respectivamente. 

Foi idealizada em 1932, levando mais sete anos de burocracias e expropriações até se iniciar a sua construção em 1939 e esteve activa até 1997, quando por despacho do Estado Maior se extinguiu o RAC, ficando apenas activas as batarias do Outão e da Fonte da Telha, sendo estas definitivamente encerradas em 2001.
Aguardam hoje  impacientemente uma visita do Ruin’Arte e em breve serão aqui postas para completar toda esta linha defensiva.
Para saber mais: http://www.monumentos.pt/Monumentos/forms/002_B2.aspx?CoHa=2_B1

http://pt.wikipedia.org/wiki/Regimento_de_Artilharia_de_Costa

http://www.servirportugal.com/viewtopic.php?f=8&t=1456&start=10

9 comentários:

  1. Já tive ocasião de te dizer (mas agora fica também aqui registado!) que este teu trabalho (monumental!) está F*A*B*U*L*O*S*O!
    Desde o levantamento sistemático de todo este nosso património esquecido ao tratamento digital, está tudo *****! A opção pela cor selectiva foi muito feliz e creativa - nem sempre feita da forma mais óbvia ;-) resultou em cheio.
    Muitos parabéns por este teu trabalho e continua a insitir. Vou voltar aqui (muitas) mais vezes para continuar a acompanhar o resultado da tua dedicação à tua arte e ao nosso património abandonado....
    Vanda V. M.

    ResponderExcluir
  2. Um destes dias tenho de ir explorar estes tuneis... Obrigado pela sugestão.

    ResponderExcluir
  3. Servi aqui em 1996...e assim vai o nossa Patria...sem gloria.

    ResponderExcluir
  4. Eu sou militar, ao fim de ver estas fotos como os nossos chefes militares gastam rios de dinheiro em tretas desnecessarias, em vez de gastarem no k interessa, como por exemplo, neste quartel... como o Piloto diz, sem Patria, sem Gloria

    ResponderExcluir
  5. Merci pour ces magnifiques photos !
    Cela me fait penser au mur de l’atlantique sur les côtes de Normandie (France).
    Si tu as des photos en grand résolution je suis prenant.
    Merci encore.
    Antoine
    a.matrix@free.fr

    ResponderExcluir
  6. Devo a esta blogue a minha primeira visita ao forte da Albarquel. Foram mais de 60 anos de curiosidade sadina só agora satisfeita. Mas, há muito mais para ver, e para reflectir. Tomei a liberdade de fazer uma ligação no FB. Obrigado.

    ResponderExcluir
  7. Parabéns pelo trabalho desenvolvido! Eu e os meus pais também vamos muitas vezes fazer passeios durante os quais nos perdemos no nosso ruinoso património nacional. Por ver aqui um local tão meu conhecido, aproveito e lembro também na região de Setúbal mais uma ruinosa propriedade em Setúbal, na estrada n252 ou estrada dos ciprestes, lado direito sentido Palmela-Setúbal. Uma casa de arquitectura única que está mesmo quase a cair. Tem até uma pequena estrutura metálica no exterior, uma "torre" que se ligava à casa principal por uma pontezinha. Também em Coina existe um palacete em ruínas para ser apreciado para quem gosta de "coisas a cair" porque é só mesmo o que há para ver. E ainda a igreja da Marateca, tudo no distrito de Setúbal, para os apreciadores da ironia: quando tem o dever de proteger, enriquece o jardim à custa da destruição de um monumento que tem, tanto quanto me foi dito, cerca de 500 anos.

    ResponderExcluir
  8. Uma pequena (grande) correcção: o calibre das peças é em centímetros e não em milímetros. Tratou-se certamente de uma gralha.
    O género de local que adoro visitar.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...