segunda-feira, 25 de outubro de 2010

As Obras do Dr. Bacalhau - Espinhal


Foi mais uma ruinosa aventura que levou este vosso amigo a um local pitoresco e “perdido” neste País à beira mar abandonado.
Por não ser propriamente uma ruína, esta reportagem de certo modo desenquadra-se deste projecto, no entanto, e pela sua história mereceu a atenção da minha objectiva.
É um edifício inacabado que conta uma rocambolesca epopeia. A sua arquitectura é de “gosto duvidoso” pela desproporção da sua traça e pelo “estilo” que nos apresenta, sendo uma espécie de miscelânea arquitectónica com aspirações palacianas.
Foi edificado pelo Prof. Dr. José Bacalhau, um eminente médico e professor da Universidade de Coimbra, cujo sonho era construir uma unidade hoteleira de luxo no desertificado interior, dinamizando dessa forma o turismo na zona.
Para levar a cabo essa demanda, adquiriu peças de cantaria e estatuária oriundas de várias demolições, entre as quais se encontra o Hotel Avis, onde Calouste Gulbenkian vivia em Lisboa, o que daria a este edifício um cariz erudito.

O projecto data dos finais dos anos 50 e o local escolhido foi o Monte Calvário, por ter encontrado oposição local, acabou por decidir construir o seu sonho no sítio do Penedo Gordo, na Serra de Santa Maria -  Espinhal.

As obras tiveram início nos anos 60 e nunca foram concretizadas, o seu lento progresso deveu-se à falta de meios financeiros com que o Dr. Bacalhau se deparou, no entanto chegou a disponibilizá-las para alguns acontecimentos sociais de relevo, antecipando assim a sua "inauguração".
Teve aqui lugar no dia 23 de Maio de 1968, Quinta Feira da Ascensão, uma reunião de confrarias da região e foi presidida pelo Bispo-Conde de Coimbra, tendo sido um sucesso social.
Sem se ter dado conta que os terrenos onde foi edificada esta obra pertenciam à junta de freguesia, foi mais tarde gerar outro imbróglio que acabou por se solucionar em 1973, pela doação por parte da sua herdeira à dita junta.
D. Francelina de Jesus, sua governanta e fiel servidora, foi a legatária em preterimento dos restantes familiares para herdar a propriedade. Sendo uma pessoa humilde e com a melhor índole, resolveu-se pela doação  do imóvel e pela venda do mobiliário para angariar os fundos necessários para a construção de uma Biblioteca Museu Prof. Doutor José Bacalhau, o que nunca passou do projecto. Só agora a C.M. de Penela começou a restaurar e catalogar o espólio do Doutor Bacalhau, e será depositado na Casa da Cultura do Espinhal...bem hajam....
Por não ter destino para dar a esta empreitada, a junta de freguesia selou o local para evitar a  vandalização que não tardou. Foi após o 25 de Abril que o saque começou, a maior parte das ferragens, a estatuária e os materiais de construção foram desaparecendo, e segundo o que ouvi, sabe-se do paradeiro de parte deste espólio que anima alguns jardins de particulares e nada é feito para o recuperar...
Já nos finais do passado século, instalou-se aqui o Patriarche, uma instituição para recuperação de toxicodependentes, que se propuseram a recuperar este local, tendo-o deixado ainda em pior estado.
Foi recentemente entregue à  Associação Portuguesa de Medicina Preventiva, uma associação sem fins lucrativos que com todo o mérito e esforço está neste momento a recuperar todo o complexo, aqui será instalada uma clínica de medicinas tradicionais que fará justiça ao projecto inicial e fará igualmente as delícias do Dr. Bacalhau.

11 comentários:

  1. Fotografias fabulosas conjugadas com uma escrita envolvente, de quem sabe puramente contar estórias ou histórias.
    Vitória, vitória - acabou a história.
    Pena... Queria mais!
    Abraço forte e boa sorte para as bienais!
    MSK

    ResponderExcluir
  2. Como sempre muito interessante!!!!!
    Se um dia pensares em fotografar um sitio deste à noite, avisa que eu vou contigo!!!

    ResponderExcluir
  3. Imagens de grande categoria, sem dúvida. Mas fiquei com a impressão que terão sido captadas na altura em que o projecto estava abandonado. Agora decorrem ali obras e não se veêm vestígios de tal...
    Parabéns pelas fotos e pelo blogue; conquistou mais um leitor!
    José Alexandre.

    ResponderExcluir
  4. Sempre achei que Portugal tinha coisas boas...uma delas Bacalhau!esta história porque tem um final feliz,faz acreditar que ainda é possível recuperar memórias! pena que seja só um exemplo... mas quem sabe se não encontrarás outros?

    ResponderExcluir
  5. Excelente trabalho, parabéns pelas fotografias e pelos textos.
    É curioso que há cerca de 20 anos, talvez, fui com os meus pais e avós à procura deste local num Domingo à tarde e nunca conseguimos dar com ele...e agora encontro aqui esta pequena reportagem! Fantástico.

    ResponderExcluir
  6. a asssosiaçao de toxicodependentes que esteve instalada em espinhal nao a deixou pior ainda pelo contrario , aquele sitio que se encontrava em ruinas , essa assosiaçao em quanto la esteve fez daquele sitio uma maravilha era lindo era um espaço simplesmente maravilhoso ,belo, eu conheci o sitio enquanto assosiaçao e sempre foi bem tratado , ficou em ruinas depois do centro ter terminado e foi tambem depois que foi vandalizado ate este douctor ter pegado naquele sitio e de o estar a arranjar e esta a fazer um bom trabalho fantastico

    ResponderExcluir
  7. Boas,
    Sou um um dos voluntários que ajudo nas obras de restauro deste magnifico local. Está bastante diferente das fotos, se estiver disponível passe por cá um dia destes e venha fotografar os progressos deste projecto.
    Abraço

    ResponderExcluir
  8. Meus parabéns a equipa que esta envolvida no projeto de recuperação deste magnifico lugar. Gostaria de saber como participar neste projeto ...de forma claramente benévola.obrigado pela vs resposta ..Abraço JP

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apareça por cá, procure por Levi Almeida e conversaremos na melhor forma de ajudar.
      Muito obrigado pela disponibilidade.
      Levi Almeida

      Excluir
  9. Visitei o local pouco tempo depois dos vândalos o terem invadido... Fiquei chocada ! Os ferros forjados todos torcidos, as colunas partidas espalhadas na serra, tudo miseravelmente tratado. Visitei de novo quando ocupado pela Patriarche, e nestes últimos tempos, algumas vezes. Felizmente voltou a ter a dignidade merecida. Adorei ver a reportagem. Parabéns pelas fotos e pela descrição histórica Palmira Pedro

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...