quinta-feira, 31 de março de 2011

O Projecto Ruin'Arte, por Maria do Carmo Serén

 
Avizinhando-se a primeira exposição deste projecto na Invicta Cidade, com uma nova colecção inteiramente dedicada a esta magnífica e histórica região, venho aqui homenagear todos os portuenses e em especial, a Dra. Maria do Carmo Serén, que amavelmente me agraciou com a sua pena...
 
Já sabem, será inaugurada no dia 2 de Abril, pelas 16.30h no Palácio das Artes, no Largo de S. Domingos, 16-22, ficará patente até dia 24 ... conto com a vossa massiva presença e incondicional apoio a esta causa que é de todos nós.


Gastão de Brito e Silva.
Sabemos bem que cruzamos o tempo da Post-fotografia, esse conjunto de tendências que solicitam uma concepção de arte total, (tudo é Arte, tudo pode ser estético) e exploram as capacidades tecnológicas da representação. 
 
Há, com isto e fora disto, um novo olhar sobre o mundo urbano onde não se distingue centro de periferias e uma concepção sobre o território onde se desenham, em grandes espaços, passagens breves do cultural sobre a Natureza.
Aí se levanta ainda a questão dos vestígios. Testemunhos de civilizações, de arqueologia urbana, rural, exótica ou industrial são agentes de uma interrogação sobre o presente.
 
A noção romântica de ruínas, de restos nostálgicos de uma cultura de origens, surge agora como manifestação crítica da perda, da desconstrução que rege a actividade criativa do homem.
Um dos processos mais recentes da abordagem da degradação, do absurdo do envelhecimento das coisas é a cartografia fotográfica, que no conjunto do observado destaca pelo escurecimento ou banimento da força  do contexto, os objectos a distinguir. 
 
E assim, porque destacados num meio neutro, o objecto torna-se pregnante como uma escultura no terreno.
É esse o processo usado por Gastão de Brito para destacar as suas ruínas de prédios erodidos, que se isolam no seu tempo e fora do seu tempo.
As suas ruínas, (prédios, quintas, fachadas, interiores ou pormenores artísticos) são indiciados pela cor e elevam-se num meio de cinza de chãos, céus, construções ou mesmo pessoas. 
No cinzentismo da envolvente, as ruínas ganham vida, essa vida de desolação e beleza tardia e frágil, que exige intervenção imediata.
 O edifício que sobe a rampa difícil, impera na encosta no seu vermelhão envelhecido; a velha quinta com telhados seiscentistas e entradas para cavalos, amarelecida na sua erosão, distingue-se do aprumo e geometrismo recente das habitações que espreitam num plano posterior; A fonte que se avista no portal do prédio de construção adiada inviabiliza a destruição do edifício, mas é de novo a cor que sobressalta e fixa o olhar.
 São notas alheias de cor, (uma buganvília, um rosa forte, os vidros partidos de um conhecido armazém…) que instalam a  decadência e a sedução. 
 
Por vezes o efeito de destaque é provocado pela claridade imposta ao objecto, uma das práticas da nova fotografia cartográfica.
O destaque transforma-se numa topografia. Outras imagens introduzem esse factor da erosão e do abandono contemporâneos que são os grafitti.
Podem por si só, eleger um edifício como ruína; ou proporcionar uma bela imagem: o homem de boné que não esconde os cabelos brancos, feito sombra cinzenta no colorido do muro sugestivo.
Os grafitti são um elemento informativo do nosso tempo, dizem o mesmo que a árvore de Maio da Revolução Francesa, anunciam a contestação e a afirmação de si de um grupo novo. 
 
Podem ser arte, podem juntar um ar estético ao vazio. Mas tal como aqui os vemos também denunciam a degradação.
O sentido estético destas imagens de Gastão de Brito não se constrói a partir da nostalgia; entranha-se como uma variante da própria fotografia que nos mostra o que foi como uma emanação; que nos fala de presença e ausência simultânea.
São ambas, ruínas e imagem fotográfica, o sinal de uma catástrofe e à iminência de um desastre, (a fotografia, suspendendo o tempo é uma catástrofe no conceito das leis da Natureza). Ambas assinam uma declaração de morte.
Talvez por isso mesmo, nessa aliança dos dois objectos, ruínas e imagem fotográfica, a nostalgia infiltra-se por entre os recursos da cartografia. Vestígios como estes não são apenas imagens, são semântica.
Dizem-nos de outros tempos, da vida que proporcionaram, da beleza que suscitaram. Dizem-nos das origens e da sua morte.
E legitimam a nossa frágil condição: em linguagem psicanalítica a casa é o nosso corpo e o seu fraccionamento, uma castração, uma perda.

10 comentários:

  1. Não sei se faz parte desta coleção mas, a meio da Av. da Boavista, do lado direito (de quem vai para a Foz), há uma "selva" no meio da qual se ergue um edifício tipo garagem, muito grande. À distância pareceu-me ser bastante interessante.

    ResponderExcluir
  2. Que belas fotografias as tuas!
    Que esplêndida a tua dedicação!
    Meu amigo, a verdade é que onde vês património em ruínas a carecer de recuperação, eu vejo paisagens belíssimas a requerer intervenções artísticas de cima a baixo, não para que os edifícios voltem ao uso que antigamente tinham, mas sim para que funcionem como galerias de arte onde a ruína convive com a pintura sensível.
    As tuas fotografias são sempre primorosas!!!
    Que belo olho tu tens!!!
    Ainda bem que vais obtendo reconhecimento e havendo quem exponha o teu trabalho!!!
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Maria Amélia Campos2 de abril de 2011 11:51

    Quem me dera poder estar hoje no Porto. Andamos em contra-mão. Vou ver a exposição do Príncipe Real.
    Mas aí vai um poema meu, para essa sua dedicação pela arte que as ruínas escondem:

    MALMEQUER

    Por andar sempre aos perigos abraçada,
    Não cuidei de achar certa a posição,
    Prendi-me às arestas, assustada,
    Mas nunca me escondi na multidão.

    Meu rosto traz as marcas atrevidas
    De inventar um mundo em cada hora,
    E já perto de tê-las bem merecidas,
    Atrevo-me a deitá-las borda fora.

    De novo me desenho e reinvento.
    Descubro outras paletas outros tons
    E volto a misturá-los sem ter tempo
    De saber qual o acerto destes dons.

    Se busco por mais luz, logo incendeio
    Meus gestos generosos, incontidos,
    Enquanto outros me tiram o brilho inteiro
    Com medo de mais gestos atrevidos.

    Ainda assim eu quero de amarelo
    Vestir esta apagada multidão,
    E em silêncio, guardá-lo, por temê-lo,
    Segurando ainda a cor na outra mão.

    Maria Amélia Campos

    ResponderExcluir
  4. Divulguei via Facebook.
    Era o melhor que, à distância a que me acho do país, podia fazer.

    As maiores felicidades!

    LFA, no Japão

    ResponderExcluir
  5. A exposição só aconteceu no dia 2 de Abril ou vai estar mais tempo no Palácio das Artes?

    ResponderExcluir
  6. Esta selecção de ruínas que fazem parte do nosso quotidiano, é verdadeiramente fabulosa.
    Parabéns pela qualidade das fotografias.

    ResponderExcluir
  7. Bellas fotos, encantadoras diria yo, nos ha encantado tu blog, pasaremos por aquí muy a menudo, ya te seguimos, un saludo.
    www.fotosparadisfrutar.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Parabéns pelo trabalho, são belas imagens de uma bela cidade a precisar de carinho.

    ResponderExcluir
  9. Já há muito tempo que estou para dar os meus parabéns ao autor destes magníficos trabalhos... Agora sim, PARABÉNS!
    Força!

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...