quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

O Amorzinho - Azenhas do Mar


Há já bastante tempo que tinha notado esta casa e estava para incluí-la neste projecto, tem por vizinhas duas outras casas ricamente  traçadas, ambas antigas propriedades de vinhateiros, era certamente onde se engarrafavam e armazenavam  as produções da A.F.M. e da Tavares & Rodrigues, uma vez que não há vinhas nas propriedades adjacentes.
Mas voltemos ao "Amorzinho"... terá eventualmente pertencido ao vizinho A.F.M. uma vez que está inserida na mesma propriedade e foi romanticamente devotada à sua mulher, a avaliar pelo painel de azulejos que dá o nome à casa.
 
A sua fachada simples e lusitanamente afirmada, não deixa adivinhar a sua verdadeira volumetria e imponência que contrasta com as muito mais elaboradas traseiras e que esconde a verdadeira essência deste pequeno chalet. É servida por um largo terreno em seu redor e tem uma invejável vista sobre o mar, o que torna esta casa numa espécie de Xangrilá de fim de semana, um autêntico local de retiro para as mais profundas meditações...
O romantismo ligado a esta zona de veraneio é fortemente influenciado pela arquitectura  típica desta época, embora quase todas as casa desta localidade sejam construídas no Séc.XX têm muitas vezes elementos revivalistas que nos transportam a tempos mais remotos, deixando no ar uma nostalgia que dificilmente passa despercebida ao turista menos sensível...a propósito de insensibilidade... como é que se poderá sensibilizar os autarcas deste País à beira mar plantado no sentido de preservarem estas raras pérolas de arquitectura??? Se souberem digam qualquer coisa... já tentei de várias formas e ainda não resultou...

4 comentários:

  1. Gastão:
    Esta casa era da família do escritor Urbano Tavares Rodrigues. As casas destinavam-se apenas a veraneio.

    Um abraço

    luis

    ResponderExcluir
  2. Desculpa Gastão, mas enganei-me quanto à casa. A de Elisa e José Maria Tavares fica do lado esquerdo antes da descida.

    Quanto ao casal das 3 Marias, pertencia ao Monteiro Milhões, não sabendo a sua autoria.

    abraço

    luis

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde,

    Esta casa foi habitada pelo menos até meados da década de 80 do séc. XX, em criança fui muitas vezes brincar para este quintal com uns amigos, cujos avós habitavam em frente e que segundo me recordo o avô tomava conta desta casa no inverno.

    Boas recordações de infância e que tristeza me dá vê-la hoje assim votada ao abandono.

    Cumps.

    Ana Domingos

    ResponderExcluir
  4. Alguém me sabe dizer que são os seus actuais proprietários?

    Muito Obrigada
    Rita

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...