segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Convento de Nossa Senhora do Loreto - Tancos

Este monumento é mais uma página apagada da nossa história. Fica situado em frente ao Castelo de Almourol, a escassas dezenas de metros na encosta da margem direita... nunca teria reparado nele se não me tivessem chamado a atenção, mesmo assim ainda tive que palmilhar algumas estradas de terra batida para encontrar o caminho...e afinal está ali tão perto...e tão longe...

Outra coisa que me custa a entender, é como é que a posse deste edifício foi parar às mãos do exército?? Não que tenha algo contra essa nobre instituição, mas apenas porque não é com certeza o melhor organismo para o tutelar, e a prova é evidente...

Srs. oficiais e engenheiros da EPE, senhores capelões do exército...tomem uma atitude em nome do património que vos deixaram, ou deixem alguém faze-lo em nome da Pátria.

Não há nenhum museu nesta histórica localidade, não há nenhuma pousada por perto...mas por favor não façam mais uma messe...é preferível que façam missas!!!




Situado na margem direita do Rio Tejo perto do Castelo de Almourol. O Convento foi fundado por D. Álvaro Coutinho, Senhor do Almourol, neto de D. Vasco Coutinho, Primeiro Conde do Redondo, para os religiosos da Província de Santo António, vulgarmente chamados Capuchos. Vivia D. Álvaro no Castelo em cujo Distrito resolveu erigir o Convento com o Titulo de Nossa Senhora do Loreto, de que era devoto e com tanta pressa se houve, que, lançando-se a primeira pedra em 13 de Março de 1572, com toda a solenidade já no dia 25 do mesmo mês, dia de Anunciação, se celebrou na Igreja a primeira Missa. Por aqui de pode avaliar a solidez da construção que era toda de taipa e adobes. Esta primeira Missa foi celebrada por Fr. Pedro dos Santos, custódio que era então da Província, ficando depois como guardião do Convento. A festa à Senhora do Loreto continuou sempre a fazer-se em 25 de Março, continuando também o Convento sobre o padroado dos sucessores da Casa do Redondo e Morgado de Almourol. Da péssima construção da Igreja resultou que, já em 1575, houve necessidade de construir outra nova, de pedra e barro, também muito pobre, e diz Fr. Agostinho “feita a imitação da própria Casa de Nazaré” cujas medidas foram trazidas de Itália e tomadas na mesma Casa do Loreto pelo padre Fr. Pedro dos Santos.


Como a anterior, também essa segunda Igreja foi substituída por uma terceira, já de boa alvenaria, onde, em 29 de Junho de 1685, se disse a primeira missa. São dela os restos que hoje vemos. Houve neste tempo uma imagem de Nossa Senhora do Loreto cuja história é a seguinte, segundo Fr. Agostinho: “Havia em Punhete, hoje Constância, uma muito antiga ermida onde se venerava uma imagem da Senhora dos Mártires. Como a eremida estava arruinada e havia, então, um afervorado culto aquela imagem, trataram os devotos de erigir um novo templo para onde levaram a imagem da senhora, com ostentosa pompa. Com o espanto dos devotos, porém, não foi a imagem ali encontrada no dia seguinte mas, sim na sua antiga eremida, vindo a saber-se, diz Fr. Agostinho que os Anjos haviam feito o furto. Por mais duas vezes se repetiu a transladação e a gracinha dos Anjos, de forma que os devotos se resolveram a reedificar a eremida e mandaram fazer em Lisboa uma nova imagem para o templo moderno. Daqui resultou esquecerem a antiga imagem, deixando novamente arruinar a antiga ermida”.Foi então que os Padres Capuchos pediram ao Vigário que lhes concedesse a velha imagem e a levassem para o Altar Mor da sua Igreja.Como a Senhora começou a obrar grandes maravilhas, voltaram os habitantes de Punhete a disputa-la aos Capuchos a quem moveram pleito, obtendo sentença contrária, segundo uns, e favorável, segundo outros. Mas tendo a imagem voltado para a sua eremida de Punhete, novo furto dos Anjos a fez aparecer na Igreja do Loreto, e, de novo, a obrar maravilhas e milagres em tão larga escala, que a multidão que ocorria ao Convento começou a incomodar seriamente os Frades com a frequência de entrar e sair, pelo que, diz textualmente Fr. Agostinho, “O guardião que então era do mesmo Convento, o venerável Padre Fr. Pedro dos Santos por obediência mandou a Senhora, não fizesse mais milagres. E ainda que ela não estava obrigada à sua obediência, ainda assim suspendeu de algum modo as suas maravilhas, porque dali por diante foram menos.” A imagem era de escultura de madeira, pintada, com o Menino nos braços, tendo pouco mais de quatro palmos de altura”.O que resta da Igreja e a cerca do convento, pertence hoje à Escola Prática de Engenharia.

3 comentários:

  1. mariadacha@hotmail.com18 de março de 2010 18:38

    inacreditável!
    quando penso que vi todos os atentados ao património construído, aparece mais um! e não há uma Camara Municipal por aí?

    ResponderExcluir
  2. A CM não pode fazer nada, bem como o Castelo de Almourol, o convento é património do Exército Português.

    BTW, muita bem conseguida, a fotografia.

    ResponderExcluir
  3. Não é bem assim ... o Convento do Loreto sediado no territorio do Poligono de Tancos - termo de Paio de Pele ( Praia do Ribatejo), encontra-se neste estado de abandono por falta de sensibilidade dos nossos governantes. Actualmente o Castelo de Almourol está a ser conservado através da Câmara da Barquinha.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...