terça-feira, 3 de novembro de 2009

O velho palácio





Houve outrora um palácio, hoje em ruínas,
Fundado numa rocha, à beira-mar...
Donde se avistam lívidas colinas,
E se ouve o vento nos pinhais pregar
Houve outrora um palácio, hoje em ruínas.

Nesse triste palácio inabitável,
As janelas sem vidros, contra os ventos,
Batem, de noite, em coro miserável,
Lembrando gritos, uivos e lamentos.
Nesse triste palácio inabitável...

Só resta uma varanda solitária,
Onde medra uma flor que bate o norte,
Sacudida de chuva funerária,
Lavada de um luar branco de morte.
Só resta uma varanda solitária...

Como nessa varanda apodrecida
Em minha alma uma flor também vegeta...
Toda a noite dos ventos sacudida,
Íntima, humilde, lírica, secreta,
Como nessa varanda apodrecida...

Gomes Leal.

3 comentários:

  1. Boa noite,
    Posso saber aque palácio se refere esta fotografia? Estou curiossissimo.

    Obrigado,

    Carlos De Almeida

    ResponderExcluir
  2. As minhas desculpas.
    Onde escrevi "curiossissimo"...deverá lêr-se curiosíssimo.

    ResponderExcluir
  3. É a Quinta da (des)Graça, na Cruz Quebrada, pertence à Faculdade de Motricidade Humana...

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...